Raimundo Cela – Artista Plástico

Raimundo Brandão Cela

* Sobral, CE. – 19 de julho de 1890 d.C
+ Niterói, RJ. – 6 de novembro de 1954 d.C

Desenhista, pintor e gravador

Filho de uma professora brasileira e de um mecânico espanhol.

Quando tinha quatro anos de idade a família se mudou para a cidade de Camocim, no litoral oeste do Ceará, onde seu pai assumiria um cargo nas oficinas da estrada de ferro.

Foi em Camocim que Raimundo Cela e seus irmãos fizeram com a própria mãe os estudos iniciais de alfabetização.

Em 1906 vem para Fortaleza para estudar no Liceu Cearense, à época uma escola de reconhecida qualidade, onde se diplomou bacharel em Ciências e Letras.

Em 1910 chega ao Rio de Janeiro e, atendendo a sua inata inclinação para as artes, matricula-se na Escola Nacional de Belas Artes como aluno livre.

No Rio de Janeiro estuda com consagrados pintores, entre eles; Zeferino da Costa, Eliseu Visconti e Batista da Costa.

Com Zeferino da Costa, especialmente, estudou desenho com modelo vivo, e com Eliseu Visconti e Batista da Costa, a pintura. Ao mesmo tempo, inscreve-se na Escola Politécnica, pois queria que se tornasse engenheiro.

Na Europa, estudou gravura com FRANE BRANGWYN, pintor, gravador e litógrafo inglês.

Ganhou Medalha de Prata, em 1916, e em 1917, ganha Prêmio de Viagem ao Exterior no Salão Nacional de Belas Artes.

Em Paris, participa do Salão dos Artistas Franceses, 1922.

Foi premiado no Salão Paulista, em 1943, no Salão Fluminense, no Rio de Janeiro em 1947 e no Salão Nacional de Belas Artes, 1947.

Individualmente, expôs em 1941 e 1944, em Fortaleza, e em 1945 e 1947, no Rio de Janeiro.

Raimundo Cela passou muito tempo no anonimato. Alguns dos principais personagens inspiradores de sua obra – pescadores, jangadeiros, e o homem comum do litoral cearense – desconhecem a obra do artista.

Para a crítica e estudiosos da arte, no Brasil e no exterior, Raimundo Cela é reconhecido como um dos maiores pintores do século XX.


Cabeça de Jangadeiro – 1933 – Óleo sobre madeira – 514 X 442cm

Quando volta ao Brasil, por problemas de saúde, reside em Camocim, no interior do Ceará, e trabalha como engenheiro. Em 1938, cria um painel sobre a abolição da escravatura para o Palácio do Governo do Estado, em Fortaleza. Volta a dedicar-se à carreira de artista plástico de forma mais enfática após 1940, quando se muda para Niterói, no Rio de Janeiro. A partir dessa data leciona gravura em metal na Enba. Realiza a primeira mostra individual em 1945, no Museu Nacional de Belas Artes – MNBA, no Rio de Janeiro. São temas constantes em sua produção as paisagens, os tipos populares e o trabalho de vaqueiros e pescadores de sua terra natal. Destaca-se também sua obra gráfica, na qual retoma a mesma temática. Após sua morte, é criada a Casa Raimundo Cela, Centro de Artes Visuais, em Fortaleza, onde ocorre, em 1970, uma mostra de artistas cearenses com o lançamento de uma monografia sobre o artista. Em 2004, é lançado o livro Raimundo Cela: 1890-1954, de autoria de Estrigas, pela editora Pinakotheke. (Informações do site Itaú Cultural)

Raimundo Cela – Água Forte sobre papel – 76,7 X 40,5cm
Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará

“A pintura de Raimundo Cela consagra motivos regionais cearenses – pescadores, jangadeiros, beiras de praias com coqueiros, tipos nordestinos -, tratados com grande realismo, com auxílio de um desenho correto e de um colorido subordinado à realidade. Certo rústico expressionismo se evola dessas obras sólidas, que estilisticamente se situam à margem do modernismo, mas que ainda assim conseguem convencer pelo que possuem de íntima energia, de sinceridade e de emoção.

Mas Cela terá sido decerto ainda maior gravador do que pintor, utilizando-se dos vários métodos e processos técnicos da gravura em metal para dar vida às suas estampas, cheias de expressão, evocativas às vezes de um Goya ou de um Rembrandt, mas mesmo assim pessoais.
Bibl.: B. Lima, Herman: ‘Raimundo Cela’. Imagens do Ceará. Rio de Janeiro, 1958; Teixeira Leite, José Roberto: ‘Raimundo Cela’. A Gravura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro, 1965; C. Miranda, Jonas de: “Um grande pintor”. Gazeta de Notícias, Fortaleza, 26 abr. 1942.”

Significativo acervo de sua obra pode ser visto no Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará.
Av. da Universidade, 2854
Benfica – Fortaleza – CE
Fone: (85) 3366-7481
Fax: (85) 3366-7610
webmauc@mauc.ufc.br

A pintura de Raimundo Cela consagra motivos regionais cearenses – pescadores, jangadeiros, beiras de praias com coqueiros, tipos nordestinos -, tratados com grande realismo, com auxílio de um desenho correto e de um colorido subordinado à realidade. Certo rústico expressionismo se evola dessas obras sólidas, que estilisticamente se situam à margem do modernismo, mas que ainda assim conseguem convencer pelo que possuem de íntima energia, de sinceridade e de emoção.

Mas Cela terá sido decerto ainda maior gravador do que pintor, utilizando-se dos vários métodos e processos técnicos da gravura em metal para dar vida às suas estampas, cheias de expressão, evocativas às vezes de um Goya ou de um Rembrandt, mas mesmo assim pessoais.

Bibl.: B. Lima, Herman: ‘Raimundo Cela’. Imagens do Ceará. Rio de Janeiro, 1958; Teixeira Leite, José Roberto: “Raimundo Cela”. A Gravura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro, 1965; C. Miranda, Jonas de: “Um grande pintor”. Gazeta de Notícias, Fortaleza, 26 abr. 1942.”

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração, Tecnologia da Informação e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, USA. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Publicado em Pintores Marcado com: , , , , , , , , , , ,
9 comentários sobre “Raimundo Cela – Artista Plástico
  1. juciana disse:

    esse quadro é lindo adorei a pintura,até paresse verdade!!!!

  2. marcos cabral disse:

    tem uma obra de arte pintura de raimundo cela em manaus perdida ou seja desprezada talvez trabalhei com o filho de raimundo cela paulo sergio cela e melembro desta lindissima gravura pescadores na praia se dirijindo ao mar perdi contato com o neto do pintor mas estou a sua procura pois preciso dizer lhe da import desta magnifica obra a todos meus cumprimentos…

  3. Fellipe Alisson disse:

    Apresentarei um seminário na faculdade sobre este artista…

  4. rayza rocha da silva disse:

    a pintura ficou otima. fantastica

  5. rayza rocha da silva disse:

    meu trabalho e sobre isso raimundo cela

  6. rayza rocha da silva disse:

    vao tomar no cuuuuuuuuuu

  7. josiele disse:

    e muito legal kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  8. josiele disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk elindo de masis]

  9. paulo marques disse:

    foi um homem de muita emportancia ,para o estado do ceara,e para os livros,por que foi um dos homens que criou as historias brasileiras,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*