Osman Lins – Escritor

Osman da Costa Lins
* Vitória de Santo Antão, PE. – 5 de Julho de 1924 d.C
+ São Paulo, SP. – 8 de Julho de 1978 d.C

“A lenta rotação da água, em torno de sua vária natureza. Sua oscilação entre a paz dos copos e as inundações. Talvez seja mineral; ou um ser mitológico; ou uma planta, um liame, enredando continentes, ilhas. Pode ser um bicho, peixe imenso, que tragou escuridões e abismos, com todas as conchas, anêmonas, delfins, baleias e tesouros naufragados. Desejaria ter, talvez, a definição das pedras; e nunca se define. Invisível. Visível. Trespassável. Dura. Amiga. Existem os ciclones, as trombas marinhas. Golpes de barbatanas? E também as nuvens, frutos que, maduros, tombam em chuvas. O peixe as absorve e cresce. Então este peixe, verde e ramal, de prata e sal, dele próprio se nutre? Bebe a sua própria sede? Come sua fome? Nada em si mesmo? Não saberemos jamais sobre este ente fugidio, lustral, obscuro, claro e avassalador. Tenho-o nos meus olhos, dentro das pupilas. Não sei portanto se o vejo; se é ele que se vê.”
Do conto Retábulo de Santa Joana Carolina, uma das narrativas do livro Nove Novena.

Osman Lins nasceu em Vitória do Santo Antão, filho de um alfaiate e de uma dona de casa, que morreu logo depois de seu nascimento. A ausência da mãe foi compensada por um círculo familiar de grande afetividade, liderado por sua avó paterna.

Cursou o primário de 1932 a 1935, no Colégio Santo Antão. Ao terminar o ginásio, realizado no período 1936-1940 no Ginásio de Vitória, impõe-se para ele a necessidade de deixar a cidade natal que pouco podia lhe oferecer em termos de estudos. Muda-se para Recife, em 1941, quando consegue o primeiro emprego, como escriturário na secretaria do, então, Ginásio de Recife. Ingressou no curso de finanças. Nesta época começou a trabalhar no Banco do Brasil. Posteriormente estudou dramaturgia na Universidade do Recife.

A essas alturas, já era habilitado em datilografia, curso que finalizou junto com o ginásio. Nesse mesmo ano, começam a surgir, nos suplementos da capital pernambucana, suas primeiras experiências no campo da ficção (”Menino Mau” e “Fantasmas…”) .

Em 1943, inicia-se um longo período em que suas preocupações literárias, pelo menos publicamente, são deixadas de lado, quando ingressa por concurso no Banco do Brasil. Segue o curso de Finanças da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Recife (1944-1946).

É do conhecimento de poucos que, concomitantemente aos estudos universitários, dedica-se à composição de um romance, que lhe consome mais dois anos.

Chega a terminá-lo, mas não o edita. Isso não significa o abandono da literatura. Ao contrário, foi uma espécie de rito de passagem, em que o escritor praticava o exercício da palavra, com apurado senso crítico.

Em fins dos anos 1940, Osman Lins casou-se com Maria do Carmo, com quem teria três filhas: Litânia, Letícia e Ângela. Em 1950 ganhou um concurso literário com o conto “O Eco”, mas sua estréia na ficção se deu com a publicação de seu primeiro romance, “O Visitante”, em 1955. Dois anos depois publicou “Os Gestos” e em seguida “O Fiel e a Pedra”.

Sua primeira peça teatral a ser encenada foi “Lisbela e o prisioneiro”, adaptada com sucesso para o cinema em 2003.


Vídeo – Lisbela e o Prisioneiro – Trailer

No início dos anos 1960, Osman Lins viveu na Europa, como bolsista da Aliança Francesa. De volta ao Brasil, transferiu-se para São Paulo. Em 1964, já separado de sua primeira mulher, casou-se com a escritora Julieta de Godoy Ladeira. Publicou, em 1966, “Nove, Novena” (contos), “Um Mundo Estagnado” (ensaios) e mais uma peça de teatro, “Guerra do Cansa-Cavalo”.

Em 1970 tornou-se professor universitário, ensinando literatura brasileira. Obteve também o grau de doutor em Letras, com uma tese sobre o escritor Lima Barreto. Em 1973 Lins publicou o enigmático romance “Avalovara”, considerado uma de suas principais obras e traduzido para diversas línguas.

Este romance de 1973 assinala o ápice do percurso literário do pernambucano Osman Lins.

Tendo como ponto de partida a intersecção entre uma espiral e um quadrado, nos quais se inscreve uma curiosa frase em latim, o romance cria uma intrincada trama de texto e mundo, em que a imagem dos nomes sobrepõe-se a imagem dos seres e das coisas, compondo um terceiro destino que cabe necessariamente ao homem decifrar.

Avalovara intercala oito temas narrativos que atravessam tempos e espaços distintos, de Amsterdã a Recife, de Recife a Roma Antiga, daí a São Paulo e vice-versa, numa narrativa notável, que ambiciona abarcar o mundo e a linguagem em sua totalidade. Neste mergulho no cerne da linguagem, o ritmo poético precede e ordena os nexos narrativos, num casamento entre prosa e poesia que marcou o romance brasileiro contemporâneo.

Poucos anos depois, pediu exoneração da Universidade, desencantado com a qualidade do ensino brasileiro.

É também autor de “Guerras sem Testemunhas”, livro-tese, onde discorre sobre as atividades e os problemas enfrentados pelo escritor.

Seu último romance foi “A Rainha dos Cárceres da Grécia”, publicado em 1976. Osman Lins colaborou com diversos órgãos de imprensa e escreveu roteiros para televisão. Autor de uma vasta obra reconhecida pela crítica, recebeu diversos prêmios, entre eles o prêmio Monteiro Lobato e o prêmio Coelho Neto, da Academia Brasileira de Letras.

É autor de contos, romances, narrativas, livro de viagens e peças de teatro. Seu romance Avalovara (1973) é uma das maiores obras universais de arquitetura narrativa, construído a partir de um palíndromo latino (sator arepo tenet opera rotas), dentro de uma espiral a partir dos quais vão sendo desenvolvidos todos os capítulos do livro. Lisbela e o Prisioneiro (1964) virou especial na rede Globo, com os atores Diogo Vilela e Giulia Gam, sendo depois adaptado por Guel Arraes para o cinema, com Selton Mello e Débora Falabella.

Obra
O Visitante – romance, 1955.
Os Gestos – contos, 1957.
O Fiel e a Pedra – romance, 1961.
Marinheiro de Primeira Viagem – 1963.
Lisbela e o Prisioneiro – teatro, 1964.
Nove, Novena – narrativas, 1966.
Um Mundo Estagnado – ensaio, 1966.
Capa-Verde e o Natal – teatro infantil, 1967.
Guerra do Cansa-Cavalo – teatro, 1967.
Guerra sem Testemunhas – o Escritor, sua Condição e a Realidade Social – ensaio, 1969.
Avalovara – romance, 1973.
Santa, Automóvel e o Soldado – teatro, 1975.
Lima Barreto e o Espaço Romanesco – ensaio, 1976.
A Rainha dos Cárceres da Grécia – romance, 1976.
Do Ideal e da Glória. Problemas Inculturais Brasileiros – coletânea de artigos e ensaios, 1977.
La Paz Existe? – literatura de viagem, em parceria com Julieta de Godoy Ladeira, 1977.
O Diabo na Noite de Natal – literatura infantil, 1977.
Missa do Galo, Variações Sobre o Mesmo Tema, Organização e Participação, 1977.

Casos Especiais de Osman Lins – novelas adaptadas para televisão e levadas ao ar pela TV Globo, 1978, composto de:
A Ilha no Espaço
Quem Era Shirley Temple?
Marcha Fúnebre
Evangelho na Taba.

Problemas inculturais brasileiros II – coletânea de artigos, ensaios e entrevistas, com apresentação de Julieta de Godoy Ladeira, 1979.

Domingo de Páscoa – novela, 1978.

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração, Tecnologia da Informação e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, USA. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Publicado em Escritoras Marcado com: , , , , , , , ,