Dias Gomes – Dramaturgo – Autor de Novelas

Foto de Dias Gomes
Alfredo de Freitas Dias Gomes
* Salvador, BA. – 19 de Outubro de 1922 d.C
+ São Paulo, SP. – 18 de Maio de 1999 d.C
Dramaturgo e autor de telenovelas brasileiro.

Foi casado com Janete Clair, famosa autora de telenovelas da TV Globo, falecida em 1983, com quem teve quatro filhos: os músicos Guilherme Dias Gomes (trompetista) e Alfredo Dias Gomes (baterista), a poeta e violoncelista Denise Emmer e um falecido ainda criança. É avô, através de Alfredo, da também autora de telenovelas Renata Dias Gomes.

Morreu num acidente de trânsito, ao ser lançado para fora de um táxi que colidira em uma manobra irregular do motorista, que sobreviveu. Um dos temas explorados com freqüência em seus trabalhos era o de uma visão esquerdista, de oposição à religião popular, considerada um instrumento das elites para pacificar e subjugar as massas pobres do país em prol dos interesses de poderosos como latifundiários, políticos e coronéis do Nordeste do Brasil, além dos próprios religiosos que se beneficavam desses interesses obscuros. Já havia ganho notoriedade como escritor teatral e projeção nacional em virtude do sucesso da peça O Pagador de Promessas (convertida em minissérie em 1988).

Estreou como autor de telenovelas em 1969, quando escreveu A Ponte dos Suspiros. Em Saramandaia, sete anos mais tarde, criou o realismo fantástico na telenovela brasileira. Essa idéia seria aproveitada pelo futuro novelista pernambucano Aguinaldo Silva em trabalhos como Pedra sobre pedra (1992), Fera ferida (1993) e A indomada (1997).

A novela Roque Santeiro foi baseada em uma antiga peça teatral de sua autoria, O berço do herói, escrita em 1963 e censurada dois anos após, às vésperas da estréia. No lugar foi exibida uma reprise compacta de Selva de pedra, de sua esposa Janete Clair, que então escreveria outro grande sucesso: Pecado capital. Roque Santeiro só foi liberada em 1985, no governo de José Sarney, obtendo estrondoso sucesso. No entanto, em sua reprise de 2000, como parte das comemorações dos 35 anos da TV Globo, não repetiu o mesmo êxito da exibição original.

Também é pai da escritora Mayra Dias Gomes, e da atriz Luana Dias Gomes, filhas de seu segundo casamento com a atriz Bernadeth Lyzio.

Foto de DIAS GOMES COM FILHAS Mayra e Luana 1997
Dias Gomes com as filhas em 1997

Obras
Teatro
* Pé-de-Cabra
* O Pagador de Promessas
* A Revolução dos Beatos
* O Santo Inquérito
* O berço do herói
* O Rei de Ramos
* Sargento Getúlio
* Grito no Escuro (O Crime do Silêncio)
* Meu Reino Por Um Cavalo
* Os Cinco Fugitivos do Juízo Final
* A Invasão
* O Bem-Amado

* * * * *

O Pagador de Promessas
O Pagador de Promessas, de Dias Gomes. Cartaz do filme que ganhou a Palma de Ouro em Cannes

O pagador de promessas é um filme brasileiro de 1962, do gênero drama, escrito e dirigido por Anselmo Duarte e baseado em história de Dias Gomes.

Sinopse
Zé do Burro é um homem humilde que enfrenta a intransigência da Igreja ao tentar cumprir a promessa feita em um terreiro de candomblé de carregar uma pesada cruz por um longo percurso.

Zé do Burro é o dono de um pequeno pedaço de terra no Nordeste do Brasil. Seu melhor amigo é um burro. Quando este adoece, Zé faz uma promessa à uma mãe-de-santo do Candomblé: se seu burro se recuperar, irá doar sua terra aos pobres e carregará uma cruz desde sua terra até a Igreja de Santa Bárbara em Salvador, onde a oferecerá ao padre local. Assim que seu burro se recupera, Zé dá início à sua jornada.

O filme se inicia com Zé, seguido fielmente pela esposa Rosa, chegando à catedral de madrugada. O padre local recusa a cruz de Zé após ouvir dele a razão pela qual a carregou e as circunstâncias “pagãs” em que a promessa foi feita. Todos em Salvador tentam se aproveitar do inocente e ingênuo Zé. Os praticantes de Candomblé querem usá-lo como líder contra a discriminação que sofrem da Igreja Católica, os jornais sensacionalistas transformam sua promessa de dar a terra aos pobres em grito pela reforma agrária. A polícia é chamada para previnir a entrada de Zé na Igreja, e ele acaba assassinado em um confronto violento entre policiais e manifestantes a seu favor. Na última cena do filme, os manifestantes colocam o corpo morto de Zé em cima da cruz e entram à força na Catedral.

Elenco
* Leonardo Villar …. Zé do Burro
* Glória Menezes …. Rosa
* Dionísio Azevedo …. padre Olavo
* Norma Bengell …. Marli
* Geraldo Del Rey …. Bonitão
* Roberto Ferreira …. Dedé
* Othon Bastos …. repórter
* Maria Conceição …. tia
* João Desordi …. detetive
* Antônio Pitanga …. Coca
* Canjiquinha
* Américo Coimbra

Principais prêmios e indicações
Oscar 1963 (EUA)
* Indicado na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.
Festival de Cannes 1962 (França)
* Ganhou a Palma de Ouro.
Festival de Cartagena 1962 (Colômbia)
* Ganhou o Prêmio Especial do Júri.
San Francisco International Film Festival 1962 (EUA)
* Ganhou o Prêmio Golden Gate nas categorias de Melhor Filme e Melhor Trilha Sonora.

Curiosidades
* O pagador de promessas foi o primeiro (e até agora o único) filme brasileiro a ser premiado com a Palma de Ouro no Festival de Cannes.
* O diretor Anselmo Duarte e a equipe do filme foram recebidos com um desfile público em carro aberto, ao desembarcar no Brasil após o recebimento do prêmio em Cannes.
* Conforme contou no programa de Jô Soares, Anselmo Duarte foi homenageado em sua terra natal e, dentre as honrarias, havia o discurso de um famoso político local. No decorrer do discurso, o político insistia em pronunciar o nome de “Anselmo” como “Ansérmo”, o que causava risos nos presentes. Percebendo a reação, o político disse que falava a liguagem do povo, mas que também se expressava na linguagem culta. Logo em seguida, tentou corrigir o erro, mas acabou por dizer “Ansérmo Dualte”.
* Mais de vinte anos mais tarde, Gomes adaptou sua própria obra para a Rede Globo, no formato de minissérie. Esta versão foi, no entanto, censurada à pedido dos patrocinadores, que não teriam gostado das menções positivas feitas à reforma agrária.

* * * * *

Televisão
* A Ponte dos Suspiros – 1969
* Verão Vermelho – 1970
* Assim na Terra como no Céu – 1970/1971
* Bandeira 2 – 1971/1972

Sucupira de Dias Gomes. Capa do Livro
Clique na imagem para ampliar
Capa do Livro Sucupira, de Dias Gomes que serviu de base para a novela O Bem Amado

* O Bem Amado – 1973
* O Espigão – 1974
* Roque Santeiro – 1ª versão censurada – 1975
* Saramandaia – 1976
* Sinal de Alerta – 1978/1979
* Carga Pesada – seriado – supervisão de texto – 1979/1980
* O Bem Amado – seriado – 1980/1984
* Roque Santeiro – 1985/1986
* Mandala – 1987/1988 – até o 35° capítulo
* O Pagador de Promessas – minissérie – 1988
* Araponga – 1990/1991
* As Noivas de Copacabana – minissérie – 1992
* Irmãos Coragem – remake – supervisão de texto – 1995
* Decadência – minissérie – 1995
* O Fim do Mundo – 1996
* Dona Flor e Seus Dois Maridos – minissérie – 1998

Adaptações em outros países
* Así en La Tierra Como en el Cielo – Argentina – 1971
* Sucupira (O Bem Amado) – TV Nacional do Chile – 1996

* * * * *

Roque Santeiro
Roque Santeiro foi uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida de 24 de junho de 1985 a 22 de fevereiro de 1986, com 209 capítulos. Original de Dias Gomes, escrita por Dias Gomes e Aguinaldo Silva, com colaboração de Marcílio Moraes e Joaquim Assis e pesquisa de texto de Lilian Garcia. Direção de Gonzaga Blota, Paulo Ubiratan, Marcos Paulo e Jayme Monjardim.

Foto de atores e personagens da novela Roque Santeiro de Dias Gomes
Clique na imagem para ampliar
Atores de Roque Santeiro

Trama
Na cidade fictícia de Asa Branca, há 17 anos, o coroinha Luiz Roque Duarte, conhecido como Roque Santeiro por sua habilidade em modelar santos, morreu ao defender dos homens do bandido Navalhada, logo após seu misterioso casamento com a desconhecida Porcina. Santificado pelo povo, que lhe atribui milagres, tornou-se um mito e fez prosperar a cidade ao redor da sua história de heroísmo. Só que Roque não está morto e volta à cidade, ameaçando pôr um fim ao mito.

Sua presença leva ao desespero o padre Hipólito, o prefeito Florindo Abelha e o comerciante Zé das Medalhas, principal explorador do santo. Mas o maior prejudicado é Sinhozinho Malta, o todo-poderoso fazendeiro do lugar, que vê ameaçado o seu romance com a “viúva” Porcina, que nunca foi casada com Roque e sempre viveu à sombra de uma mentira articulada por Malta. Mentira institucionalizada para fortalecer o mito e tirar vantagens pessoais.

Ao retornar, Roque interfere na relação de Sinhozinho e Porcina, além de reacender a paixão de Mocinha, a verdadeira noiva, que nunca se conformou com seu desaperecimento e que se manteve casta à espera de seu amor, mesmo pensando que ele estivesse morto. Ela é filha do prefeito Abelha e da beata dona Pombinha, sendo cortejada pelo soturno professor Astromar Junqueira, suspeito de ser o lobisomem.

Asa Branca também fica agitada com a chegada de Matilde, que monta o único hotel da cidade, a Pousada do Sossego, e traz do Rio de Janeiro duas prostitutas, Ninon e Rosaly, que vão trabalhar em sua “Boate Sexus”, e enfrentar a ferrenha oposição do padre Hipólito e das beatas da cidade, comandadas por dona Pombinha Abelha.

Também chega à cidade a equipe de filmagem comandada por Gerson do Valle, o cineasta que vai filmar “A saga de Roque Santeiro”. A película tem como astros principais a atriz Linda Bastos, casada com o ciumento Tito e por quem o diretor é apaixonado;e o mulherengo ator Roberto Mathias, que acaba por se envolver com a viúva Porcina, com Tânia, filha de Sinhozinho Malta, e com Lulu, a reprimida esposa de Zé das Medalhas.

Elenco
Protagonista Título
* José Wilker – Roque Santeiro (Luís Roque Duarte)

Casal Principal
* Regina Duarte – Viúva Porcina, a “que era sem nunca ter sido”
* Lima Duarte – Sinhozinho Malta (Francisco Teixeira Malta)

Com
* Yoná Magalhães – Matilde Mendes de Oliveira
* Lucinha Lins – Mocinha Abelha, a “viúva virgem”
* Fábio Júnior – Roberto Mathias
* Ary Fontoura – Prefeito Florindo Abelha
* Eloísa Mafalda – Dona Pombinha (Ambrosina Abelha)
* Armando Bógus – Zé das Medalhas (José Ribamar de Aragão)
* Cássia Kiss – Lulu (Lucinda de Aragão)
* Paulo Gracindo – Padre Hipólito
* Cláudio Cavalcanti- Padre Albano, o “padre vermelho”
* Lídia Brondi – Tânia Magalhães Malta
* Oswaldo Loureiro – Navalhada
* Ruy Rezende – Professor Astromar Junqueira
* Ewerton de Castro – Gerson do Valle
* Patrícia Pillar – Linda Bastos Moreyra França
* Luiz Armando Queiroz – Tito Moreyra França
* Wanda Kosmo – Dona Marcelina Magalhães
* Nélia Paula – Amparito Hernandez
* João Carlos Barroso – Toninho Jiló
* Arnaud Rodrigues – Cego Jeremias
* Nelson Dantas – Beato Salu (Salustiano Duarte)
* Elizângela – Marilda
* Maurício do Valle – Delegado Feijó
* Cláudia Raia – Ninon
* Ísis de Oliveira – Rosaly
* Maurício Mattar – João Ligeiro (Irmão de Roque Santeiro)
* Othon Bastos – Ronaldo César
* Milton Gonçalves – Promotor público Lourival Prata
* Ilva Niño – Mina
* Tony Tornado – Rodésio
* Ângela Leal – Odete
* Regina Maria Dourado – Efigênia
* Ângela Figueiredo – Selma Sotero
* Alexandre Frota – Luizão
* Cláudia Costa – Carla
* Cristina Galvão – Dondinha

Participações especiais
* Luís Melo – Flávio Cardoso
* Lilian Lemmertz – Margarida Magalhães Malta
* Paulo César Pereio – Delegado Benevides
* Tarcísio Meira – Coronel Emerenciano Castor
* Heloísa Helena – Madre Felícia
* Lutero Luiz – Dr. Cazuza
* Marcos Paulo – De Lima
* Cláudio Gaya – Jurandir
* Jorge Fernando – Lúcio Armando
* Tonico e Tinoco

Curiosidades
* Exibida entre 24 de junho de 1985 e 22 de fevereiro de 1986 em 209 capítulos.
* Roque Santeiro é uma das melhores telenovelas já produzidas e um marco dentro da história da teledramaturgia brasileira. Seus personagens até hoje são inesquecíves.
* “Roque Santeiro” foi reapresentada duas vezes. De 1º de julho de 1991 a 3 de janeiro de 1992, as 17h00, na Sessão Aventura, em 135 capítulos. E de 11 de dezembro de 2000 a 29 de junho de 2001, às 14h20, no Vale a Pena Ver de Novo, em 145 capítulos. Na primeira reprise, compactada em 135 capítulos, a audiência foi satisfatória, muito maior do que a das séries estrangeiras que ocupavam o horário, conforme divulgado pela imprensa na época. Infelizmente, sua segunda reprise, em 145 capítulos, não foi um sucesso desejado pela emissora, deixando a Globo várias vezes em segundo lugar no ibope,de acordo com o que foi divulgado pela imprensa, o que a fez, pela primeira vez, exibir outro programa na faixa: Você Decide, que conseguiu reduzir mais ainda os índices de audiência. Logo depois, a reprise de “A Gata Comeu” colocou a audiência novamente nos trilhos.
* Dias Gomes criou Roque Santeiro baseado em uma peça de teatro, de sua autoria, chamada O berço do herói, que havia sido censurada e proibida. A telenovela seria exibida em 1975 pela Rede Globo e já tinha vários capítulos gravados, além de chamadas anunciando sua estréia. Porém, no dia da estréia, a Rede Globo recebeu ofício do governo federal censurando a telenovela. A emissora então pôs no ar uma reprise de Selva de Pedra, de Janete Clair, enquanto outra era escrita – Pecado Capital -, também de Janete. O motivo da censura foi uma escuta telefônica do governo, em que foi gravada uma conversa de Dias Gomes, em que ele afirmava que Roque Santeiro era apenas uma forma de enganar os militares, adaptando O Berço do Herói para a televisão, com ligeiras modificações que fariam com que os militares não percebessem que se tratava da mesma obra.

* Dez anos depois, já no governo civil de José Sarney, a telenovela foi finalmente liberada e pôde ser exibida. Por consideração aos artistas envolvidos no trabalho original, os mesmos foram convidados a retomar seus personagens. Porém, Francisco Cuoco e Betty Faria, recusaram os papéis de Roque Santeiro e Viúva Porcina, Lima Duarte retomou o personagem Sinhozinho Malta. Além de Lima, outros atores que participaram da versão censurada e que retornaram nesta com os mesmos papéis foram João Carlos Barroso, Luiz Armando Queiroz e Ilva Niño. Elizângela, que foi Tânia em 1975, desta vez viveu Marilda. Milton Gonçalves, que em 1975 interpretava o padre Hipólito, em 1985 foi Lourival Prata, o promotor público.

* O clímax da telenovela foi quando padre Albano (Claudio Cavalcanti) bate o sino da igreja e reúne todos na praça da matriz para desvendar a farsa do santo que está vivo. Só que, nesse dia, o Beato Salu, que estava em coma, “ressuscita”, e o povo crente, em vez de ouvir a verdade, acaba celebrando mais uma vez os milagres de Roque Santeiro. “O mito é mais forte que a verdade” é a constatação. Essa inteligente sátira serviu para ilustrar, de forma decisiva, que Asa Branca representava uma miniatura do Brasil.
* Foram gravados dois finais para a telenovela, um no estilo do filme Casablanca, no qual Porcina fica em dúvida se embarca com Roque no avião ou continua com Sinhozinho Malta, que por fim vai embora. No final exibido a viúva opta por permanecer ao lado do coronel, e os dois terminam acenando para Roque, que vai embora.

* Inúmeros foram os destaques do elenco, graças a personagens inesquecíveis: o Sinhozinho Malta de Lima Duarte; o casal Florindo Abelha e dona Pombinha de Ary Fontoura e Eloísa Mafalda; o padre Hipólito de Paulo Gracindo; Zé das Medalhas e sua reprimida esposa Lulu, Armando Bogus e Cássia Kiss; o hilário “guia turístico” Toninho Jiló de João Carlos Barroso, em seu melhor papel na TV; o professor Astromar de Ruy Rezende, (o lobisomem); o cego Jeremias de Arnaud Rodrigues; o engraçado Beato Salu de Nelson Dantas; as provocadoras “meninas da boate” de Cláudia Raia, Isis de Oliveira, Yoná Magalhães e Nélia Paula; a confusa equipe de cinema, entre outros. Mas, com certeza, quem mais brilhou foi Regina Duarte, vivendo a Viúva Porcina, que de “Namoradinha do Brasil” passou a “Amante Nacional”!
* Sinhozinho Malta tinha uma característica que ficou marcante e lembrada até os dias de hoje: quando estava nervoso, sacudia as pulseiras, num tique acompanhado por um efeito sonoro, que reproduzia o som de uma cascavel, seguido do bordão “Tô certo ou tô errado?”.
* Primeira novela de Patrícia Pillar, Maurício Mattar e Cláudia Raia.

* A telenovela atingiu 100 pontos de média em seu derradeiro capítulo.
* E também atingiu 100 de pico em outras ocasiões: Beato Salú “ressucita” e a morte de João Ligeiro.
* Roque Santeiro é, até hoje, a segunda novela de maior audiência da história da televisão brasileira, tendo uma média geral de 74 pontos de audiência, segundo dados da própria Rede Globo. Precedido apenas de Selva de Pedra com 75 e seguido de Vale Tudo com 68.
* Destaque para as excelentes trilhas da novela que criou fato inédito até então. Foram lançadas duas trilhas nacionais da novela, devido ao sucesso dos temas.
* A telenovela também foi exibida em Portugal e em Angola, onde deu nome ao mercado aberto de Luanda.
* Na primeira versão da telenovela, em 1975, o padre Hipólito se chamava padre Honório, sendo interpretado por Milton Gonçalves, e o bandido Navalhada se chamava Trovoada, papel de Rafael de Carvalho.

Prêmios
Troféu APCA (1985)

* Melhor Novela
* Melhor Atriz – Regina Duarte
* Melhor Ator – Lima Duarte
* Revelação Feminina – Cláudia Raia
* Melhor Texto de Novela – Dias Gomes e Aguinaldo Silva

Troféu Imprensa (1985)
* Melhor Novela
* Melhor Atriz – Regina Duarte
* Melhor Ator – Lima Duarte
* Revelação do Ano – Cláudia Raia (empate com Tetê Espindola)

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração, Tecnologia da Informação e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, USA. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Tagged with: , , , , , , , , , , , , , , , ,
Posted in Dramaturgos
4 comments on “Dias Gomes – Dramaturgo – Autor de Novelas
  1. Lilia disse:

    gostaria de receber tudo sobre Dias Gomes, videos, incluindo tambem video da mine novela/seriado Ultimo Dia, nao lembro nome exato, mas o tema era Pauliho Molka.
    ue Trama

  2. monica daniella nu disse:

    gostaria de receber mais comentarios a respeito do livro o bem amado.

  3. E o filme O REI DO RIO?O nosso Poderoso Chefão.
    Esse Dias Gomes era um gênio.
    Em Roque santeiro ele contou na verdade a história de Cristo , aceita por milhões de não cristãos,foi como se ele tivesse sido uma pessoa comum e ludibriado pelos personagens do tempo, tanto é que a turma do cinema e sua fita nada mais são do que a própria Bíblia.

  4. Debora Lee disse:

    Gostaria de ver a obra Saramandaia, pois preciso fazer um trabalho a respeito do mesmo, e so encontro sobre a Rede Globo. Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>