Adolfo Herbster – Engenheiro

Adolfo Herbster PERSONALIDADES - Engenheiros - Brasil - ADOLFO HERBSTER

Engenheiro
* Recife, Pernambuco – 4 de Maio de 1826 d.C
+ Fortaleza, PE. – 12 de novembro de  1893 d.C

Filho de pai Suíço-Alemão e mãe Francesa, veio para o Ceará quando tinha 29 anos de idade.

Adolfo Herbster casou-se duas vezes. A primeira com Henriqueta Maria de Almeida, que veio a falecer em maio de 1866, e a segunda vez com Filismina Lopes.

Em 21 de Novembro de 1855, muda-se para Fortaleza, contratado como engenheiro da Província.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Adolfo Herbster substituiu Simões Ferreira nas funções de “arruador e “cordoador”, algo muito próximo ao que se entendia como arquiteto leigo.

Em 1856 assume a direção das Obras Públicas Gerais, que era anteriormente ocupada por um arquiteto leigo de nome Antônio Simões Ferreira de Farias. O engenheiro não concluiu a obra e coube justamente a Adolfo Herbster a conclusão dos serviços finais de carpintaria, marcenaria, pintura e os acabamentos finais da obra.

A obra foi inaugurada em 7 de abril de 1835, pelo Presidente da Província, José Martiniano de Alencar.

PERSONALIDADES - Engenheiros - Brasil - ADOLFO HERBSTER Planta Fortaloeza 1875 Planta da cidade de Fortaleza e Subúrbios elaborada por Adolfo Herbster
Clique na imagem para ampliar

Adolfo Herbster executou inúmeras obras na cidade. – elaborou plantas arquitetônicas urbanas – construiu a estrada que liga Fortaleza a Maranguape – a Ponte sobre o Riacho Pajeú, onde hoje passa a Rua Rufino de Alencar, que liga a Catedral Metropolitana ao Seminário da Prainha.

Desenhou ainda o Paço da Assembleia legislativa, cujas obras foram iniciadas em 1856 sob a responsabilidade do engenheiro Joaquim Fonseca Soares e Silva.

A última planta que traçou da cidade de Fortaleza em 1888, foi impressa em Paris pela gráfica Burke e cia. Essa planta se encontra exposta no Museu do Ceará.

Os instrumentos com os quais trabalhava, encontram-se expostos no Museu Histórico do Ceará, em Fortaleza. O reconhecimento ao seu trabalho só foi feito em 1932, quando uma rua da capital recebeu o seu nome.

Publicado em Arquitetos, Engenheiros Marcado com:

Adail Barreto Cavalcante – Político

Adail Barreto Cavalcante
Bacharel em Direito e Político

* Iguatu, Ce, em 13 de julho de 1914 d.C
+ Fortaleza, CE. – 11 de novembro de 1982 d.C

Filho de Júlio Cavalcante e de Júlia Barreto Cavalcante.

Veio para Fortaleza em 1928, indo cursar o secundário no Colégio São Luiz, e concluindo-o no Liceu do Ceará.
Ingressou na Faculdade de Direito, recebendo o diploma de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais em 1938.
Foi Diretor da Casa do Estudante do Ceará e presidente do Conselho Superior do Centro Estudantil Cearense.
Foi Secretário do Centro Iguatuense de Fortaleza, em 1933.

Em 1935 ingressou, por concurso no funcionalismo público do Estado, sendo lotado no Tribunal de Contas do Estado.
A partir de 1939, passa a compor os quadros da Secretaria do Interior e da Justiça, ocupando cargo de Inspetor das Municipalidades.

Participou de diversas comissões, entre as quais a destinada a elaborar o Código Tributário dos Municípios.
Paralelamente exerceu o magistério na Escola Técnica de Comércio da Fênix Caxeiral, no Colégio Carlos de Carvalho e no Colégio Padre Champagnat, onde foi vice-diretor.

A partir de outubro de 1945, no Governo do Interventor Dr. Benedito Augusto Carvalho dos Santos, foi nomeado para o cargo de Delegado de Investigação e Capturas.

Foi o idealizador da construção de uma Colônia Correcional no Ceará, destinada a réus primários.

Deputado Estadual, foi membro atuante das Comissões de Educação e Cultura, Segurança Pública e Redação de Leis.
Fruto de suas experiências, publicou o livro O papel da Mocidade no Movimento de Renovação da Polícia Brasileira, ed. Clã. 1947. – Fortaleza.

Em 1950 foi eleito Deputado Federal. Reeleito para os mandatos de 1955, 1959 e 1963. Sua atuação no Congresso foi fundamental para a eletrificação da cidade de Iguatu, Ce, pela energia de Paulo Afonso.
Durante os anos 60 fez parte da Frente Parlamentar Nacionalista.

Em 1962, foi candidato ao Governo do Estado, enfrentando os grandes partidos, PSD e UDN, unidos na chamada União pelo Ceará.

Novamente eleito Deputado Federal em 1964, foi relator da Comissão Parlamentar de Inquérito, para examinar a conveniência de aquisição pelo Brasil de acervo das companhias de energia elétrica.

Foi o autor da lei que deu o nome de Pinto Martins ao aeroporto de Fortaleza.
Autor das leis que criaram as escolas profissionais Batista de Oliveira, de Iguatu, Escola Padre José Nilson, de Fortaleza e Colégio de Educação Rural e Doméstica de Iguatu.

Teve os direitos políticos cassados pelo movimento político-militar de 31 de março de 1964.

Atribui-se sua cassação ao fato de ter sido o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a examinar a situação das empresas concessionárias de serviço público subsidiadas do grupo AMFORP, em 63, que examinou o memorial sobre a situação das empresas elétricas do grupo AMFORP; a cópia do “memorando de entendimento” firmado em abril de 1963, entre o governo brasileiro, a AMFORP e a Brazilian Eletric Power Company (BEPCO); a cópia de discurso proferido na Câmara dos Deputados em 12/6/1963 pelo ministro da Fazenda, San Tiago Dantas, expondo a opinião do governo brasileiro em relação à compra das concessionárias de serviços públicos de energia elétrica e de telecomunicações; o caso das concessionárias dos serviços públicos de energia elétrica e telefones; o relatório final da Comissão Interministerial incumbida de rever o “Memorando de Entendimento” de abril de 1963 e concluir as negociações com a AMFORP; mensagem enviada ao Congresso Nacional pela Comissão Interministerial propondo projeto de lei que autoriza a Eletrobrás a adquirir ações das empresas concessionárias de serviços públicos; o discurso pronunciado por Otávio Marcondes Ferraz por ocasião da assinatura do contrato de compra e venda das ações das subsidiárias da AMFORP e o histórico da operação de compra das ações e direitos da AMFORP e BEPCO nas suas subsidiárias no Brasil.

Anistiado pelo governo do Presidente João Figueiredo, voltou a política, filiando-se ao PMDB.

Em 1982, candidatou-se a uma cadeira no Parlamento Nacional, tendo falecido 4 dias antes das eleições, em 11 de novembro de 1982, em Fortaleza, Ce.

É nome de Parque Ecológico em Fortaleza,Ce.,  nome de rua, de praça, de hospital, de avenida, de colégio, em Iguatu, Acopiara e Fortaleza.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Publicado em Políticos Marcado com: , ,